OBRIGADO POR SUA HISTÓRIA

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

O Estranho e apaixonante mundo da cachorra Laika!

Hoje acordei triste com uma notícia, de que tramita no congresso nacional, uma lei que vai liberar a caça de animais silvestres. Esse tipo de abordagem está proibido, no Brasil, desde 1967. Caçar animais silvestres é  algo bem trágico, ao legalizarem a caça, estarão legalizando a barbárie. 
Inspirado nesse episódio trágico, lembrei que reescrevi de memória e ação, a história da Cachorra Laika, que foi enviada para o espaço em 1957, a cachorrinha, nascida nos arredores de Moscou, chamava-se, na verdade, Skruvlávka, o nome Laika, foi uma forma de tornar a pronúncia mais fácil para quem desconhecia a língua russa.


Em toda sua dimensão de ternura, Laika representa a esperança de que um dia a humanidade vai recuperar sua inocência!
Minha versão da história da cachorra Laika, remonta o Simpósio Internacional de Contadores de Histórias, um evento magnífico que teve 12 edições, desde 2001. Recriei a história em homenagem ao meu pai, que sempre a narrava para mim, com muita energia e ação. Tempos depois, quando comecei a aprofundar a leitura sobre este episódio, descobri que muitos cachorros, durante minha infância, em Curitiba, tinham o nome de "Laika".
O envio da cachorra Laika, ao espaço, na nave Sputnik II, em 1957, mexeu com o imaginário de muitas gerações e remonta a época da guerra fria entre a extinta URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e o bloco capitalista, capitaneado pelos EUA. O que pouca gente sabia, na época é que Laika foi enviada ao espaço para morrer. A tecnologia que a levou para orbitar a terra não era suficiente para trazê-la de volta e isso gerou comoção no mundo inteiro. Dizem até que este fato, foi fundamental para que se criasse a Sociedade Protetora dos Animais.

Jiddu Saldanha
www.jiddusaldanha.com.br



terça-feira, 1 de novembro de 2016

ARTUR GOMES E ANDRE GARCIA - DOIS MOMENTOS PARA O POESIA DE CENA 2016

Isso mesmo, uma verdadeira máquina de falar poesia. Muitos acreditam ser uma reencarnação do próprio Evtutchenko, o poeta russo que falava poemas em estádios de futebol lotado. Quem já teve o prazer de ouvir este gigante da poesia brasileira, não tem ideia de sua força e fúria poética. Artur Gomes é, ao lado de Mano Melo, Lília Diniz, Dalmo Saraiva, Marisa Vieira e Elisa Lucinda, o maior nome da poesia falada no Brasil.
Já André García é, sem dúvida, um dos mais arejados poetas de Cabo Frio, com uma pegada forte na reflexão politica, sua obra está surgindo com grande força e irreverência. Se tem alguém que leva a sério o que faz, esse alguém é André. Suas publicações já circulam a muito tempo pelos espaços alternativos de Cabo Frio e Região dos Lagos, mas agora, depois que criou o selo CAMARADA GARCIA, passou a realizar sonhos de outros poetas, inclusive eu. Com seu belo fazer criativo, de publicações alternativas, sua oficina de Fanzine, é um verdadeiro despertar para a arte e o viver em si.
Cabo Frio, no POESIA DE CENA 2016, vai encontrar um pouco da sua essência, através de tantas possibilidades criativas e muita invenção, a partir do exercício da palavra poética, praia em que Artur Gomes e André García, já navegam a muito tempo, não sem se se "antenar" nos acontecimentos atuais dentro da arte do fazer, criar e escrever poesia. Enfim, fazer literatura!

Artur Gomes e André García, momento único para estar com os dois ao mesmo tempo.  Vale a pena fazer, ver e viver o que
eles tem para ensinar para todos nós.
A POESIA FALADA COM SUA FORÇA TOTAL

Nascido na Cacumanga, em Campos dos Goytacazes, Artur Gomes já fez de tudo na vida. Foi da cavalaria montada, chegando a tornar-se Dragão da Independência, isso mesmo, aqueles soldados que se vestem com uniforme imperial e guardam o palácio do planalto. Mas tem uma profissão que poucos conhecem hoje em dia: Artur foi Linotipista, isso mesmo, na época em que não existia máquina de impressão eletrônica, ele se fechava numa câmara para fabricar letras de chumbo que, posteriormente, seriam colocadas na máquina de impressão, para virar livro e anúncio de jornais.
Nos anos 60 Artur praticamente teve a revelação da poesia, e atravessou a década de 70 gritando seus poemas aos 4 ventos, por este Brasil a fora. Tive a honra de encontrá-lo inúmeras vezes pela estrada e cheguei a fazer alguns filmes sobre ele, do qual destaco o POESIA PROIBIDA, nome de seu recital que tive a honra de dirigir, por volta de 2012. Artur é um monstro sagrado, um poeta verdadeiro, com uma pegada forte e direta. Sua poesia traz uma palavra revolucionária e erótica. Seu jeito de eterno menino, esconde sua idade, Artur é o poeta que nunca envelhece. Sua fúria, sua criatividade, sua alma é a dos verdadeiros travadores medievais, cavaleiros quixotescos, lutando eternamente contra os moinhos de ventos da vida.
Em 2007, eu e este grande poeta nos trancamos para estudar a fundo o impacto das novas tecnologias na arte da poesia, o resultado foi o surgimento do polo Cinema Possível de audiovisual e a Fulinaima Vídeos, a partir daí, passamos a utilizar o audiovisual como plataforma de criação para diversos suportes de internet. Artur é uma usina viva de criação e sua arte é, hoje, reconhecida em todo o Brasil.

OFICINA DE POESIA FALADA

Com um método único de memorização e declamação em público, Artur é desses professores poetas que você aprende rindo e se divertindo muito. No final das contas, conviver com ele, ouvi-lo falar em público, e descobrindo a sua verve poética, é a forma mais simples e direta de mergulhar no misterioso mundo de falar poesia para grandes públicos. Foi assim que o conheci, nos anos 90, em alguns dos principais momentos da vida literária do País. Indo por bienais, eventos literários em calendários de cidades por todo o Brasil, lá estava ele, o POETA PROIBIDO que libertava a palavra presa na garganta. Vamos aprender com ARTUR GOMES!

ANDRÉ GARCÍA E O FANZINE EM CABO FRIO

André já circulou por diversos lugares da cidade, como poeta, é uma espécie de "andarilho urbano", desses que vai aos lugares sem compromisso. Chega a hora que quer e sai quando a gente menos espera, comportamento típico de poeta. Bom mesmo é ouvir seus poemas, quando ele sobe no palco, fala com o coração e mostra uma poesia ácida que não deixa pedra sobre pedra. André é um artista que resolveu levar sua arte a sério e vive vida de poeta, dividindo seu tempo entre a produção, o emprego e reinvenção de si mesmo.

Com um vasto conhecimento sobre o tema Fanzine, André mantém seus interlocutores totalmente focados no assunto!
Desde que o conheci, ele investe, sempre, na sua produção. Cria seus livros, e sai por aí, vendendo seu material. Reclama que ninguém lê, tremendo "sétium", já que, se tem escritor em Cabo Frio que tem leitores, esse cara é ele. Blogueiro da pesada, publica com disciplina e quem conheceu sua fase cineasta, sabe que seus filmes causavam sensações no Cine Mosquito, o Cine Clube mais antigo de Cabo Frio.  
Uma vez, a galera do OFICENA deu por falta do André e começou a especular porque ele não foi mais ao curso, respondi logo para que não ficasse dúvida. André é um poeta, ele veio aqui por comprometimento com sua poesia, veio e foi embora, a nós, só resta a gratidão, por saber que tivemos, circulando pelas entranhas escuras do teatro semi-abandonado, a figura daquele que será, talvez, um dos poucos poetas que se salvará, de fato, enquanto criador de uma obra robusta.
Sobre a oficina de fanzine, do André García, soube, pela primeira vez uma que ele deu na Casa Ancorada e utra que foi ministrada no espaço Aroeira, praticamente nos dois extremos da cidade. André, é um cara muito produtivo e suas publicações já lhe renderam omentos incríveis como, por exemplo, a Inserção de Henrique Selani, definitivamente, no mundo da poesia local, além de criar uma forte energia de atividade voltada para a construção do Fanzine, que, não para de se multiplicar em sua mesa de criação e exposição.



Jiddu Saldanha - Blogueiro.

Palestra e roda de bate papo no POESIA DE CENA 2016

Conheci Herbert Emanuel, em 1991, na primeira edição do Congresso Brasileiro de Poesia, em Nova Prata - RS, onde, convivemos com a nata da literatura alternativa brasileira. Encontro inesquecível com Alice Ruiz, Oscar Bertoldo, Leila Miccolis, Mário Pirata, Helio Leites, Paco Cac e tantos outros. De lá pra cá, "muita água passou por debaixo da ponte", e cultivamos uma amizade que completou 30 anos, em 2016. Herbert aceitou o convite para dar sua palestra no POESIA DE CENA 2016. E que será, também, assunto da mesa de bate papo com intelectuais locais de Cabo Frio, será um grande momento para nós.

Herbert Emanuel, poeta e Filósofo, ao lado de Jiddu Saldanha, sua companheira
Adriana Abreu, o jovem ator Danilo Tavares e a Atriz Karol Schittini, em Sta.
Tereza, Rio de Janeiro - 2016.

POESIA: PAIXÃO (TESÃO) DA LÍNGUA

Pra início desta conversa (ou desconversa) fiada, que se fia, se desfia, se ata e se desata, eu desejo que esta seja uma viagem de língua na linguagem  ou um banquete de palavras, suculentos pratos de palavras, (ADRIANA RECITA QUE BELA SOPA) para a nossa “saboração”. Saboração é uma palavra inventada, palavra-valise, pois traz dentro de si (pelo menos, tem essa pretensão) o saber, o sabor e sedução: saboração.

(RECITAR O POEMA SABORAÇÃO)

Lewis Carrol, matemático e poeta inglês, autor de “Alice no País das Maravilhas”, foi um grande inventor de palavras-valise: gritos+silvos= grilvos; grama+silvos= gramilvos (na tradução de Augusto de Campos do seu “Jabbrwocky”, Jaguardarte). James Joyce, leitor de Carrol, também: fumante+furioso= fumiroso. Entre nós, Souzândrade, poeta maranhense redescoberto pelos irmãos Campos, com suas palavras-montagem: “jubilogritantes”, “algaverdecomados”, “escamiventreprateados”. Leminsk, em sua poesia-prosa-caoscósmica chamada Catatau nos fornece outro exemplo: “calverdáver”, “contagotagiosas”. Há umas palavras-valise deliciosíssimas do Caetano Veloso:

(INTERLOCUTOR)
Nada dessa cica de palavra triste em mim na boca
Travo, trava mãe e papai, alma buena, dicha louca
Neca desse sono de nunca jamais nem never more
Sim, dizer que sim pra Cilu, pra Dedé, pra Dadi e Dó
Crista do desejo o destino deslinda-se em beleza:

Outras palavras

(HERBERT)
Parafins, gatins, alphaluz, sexonhei da guerrapaz
Ouraxé, palávora
Lambetelho, frúturo, orgasmaravalha-me, felicidadania:

(INTERLOCUTOR)
Outras palavras

            Na verdade, eu desejo que esta conversa seja uma grande brincadeira - brincadeira com a matéria-prima da poesia: as palavras, pois fazer poesia é, de certo modo, molecar com as palavras; portanto, brincar, “descobrir a infância em nós”.  

(INTERLOCUTOR RECITA O POEMA DE JOSÉ PAULO PAES)

            O meu objetivo aqui é estabelecer um di-álogo poético, que é ao mesmo tempo, no dizer do poeta mexicano Octávio Paz, um acordo e um acorde, pois pressupõe a cumplicidade de vocês, mas é também melos, no sentido que os gregos davam a esta palavra, que significava ao mesmo tempo canto e encantamento. Música, portanto, para ouvidos atentos. (ADRIANA RECITA FALSA BALADA TOSCANA).
           Música, melodia, canto, encantamento. O que é a poesia?

(INTERLOCUTOR RECITA O POEMA A PALAVRA EM PONTO DE POEMA)

     Eu diria que é o exercício de uma paixão especial: a paixão pela linguagem.
            O que é uma paixão? (ADRIANA RECITA ISMÁLIA) Comecemos pela etimologia. Os gregos tinham duas palavras “paixão”: uma que significava “sofrimento”, “fixação”, “obsessão”, era a palavra páthos. (não é comum dizer-se de uma pessoa apaixonada, que está sofrendo, sofrendo de amor? a paixão –pathos- tem dessas coisas: nos deixa meio paralisados, meio patéticos). Aí entra a outra palavra paixão:  é timos. Timós, para os gregos, significava “coragem”, “força”, “ânimo”, (pois timós também pode significar “fumaça”, “sopro”, “vento”, mesma raiz, portanto, da palavra anima, animus). Neste sentido, a paixão também é impulso para fazer algo, é ação, movimento. Pensar o movimento das coisas foi a paixão dos gregos. Voltando a pergunta: O que é paixão? Eu diria que é o interesse exacerbado, obsessivo, corajoso e desmedido por  algo: homem, mulher, planta, bicho, poema.
 A poesia é exatamente esse interesse exacerbado, obsedante, corajoso e desmedido pela linguagem. É páthos e timós ao mesmo tempo.
             Mas o que é a linguagem?
 (INTERLOCUTOR RECITA O POEMA DO MÁRIO)
Diz o filósofo alemão, Heidegger, que a linguagem é a “morada do ser”; é o lugar, o local, o manancial onde o “ser” se desvela, se revela, vem à tona, isto é, passa a existir. O homem, o mundo e todas as coisas só existem através da linguagem. Como entender o homem, o mundo e as coisas, sem chamá-los de “homem”, “mundo” e “coisas”?
(INTERLOCUTOR RECITA NIETZSCHE). Ou como diz Octávio Paz:

 “A palavra é o próprio homem. Somos feitos de palavras. Elas são nossa única realidade ou, pelo menos, o único testemunho de nossa realidade. Não há pensamento sem linguagem, nem tampouco objeto do conhecimento: a primeira coisa que o homem faz diante de uma realidade desconhecida é nomeá-la, batizá-la”. E também erotizá-la.
(INTERLOCUTOR RECITA O POEMA DESDE DENTRO DA UMIDADE DA PALAVRA À UMIDADE DO TEU SEXO RECLAMA MINHA LÍNGUA.
Se a poesia é a paixão da linguagem, e a linguagem é a “morada do ser”, como disse Heidegger, é evidente que o poeta (poiétes) é o sujeito dessa paixão e é aquele que habita plenamente essa “morada”. (INTERLOCUTOR RECITA O POEMA A CASA)
            Na verdade, todos nós habitamos a linguagem, posto que a utilizamos cotidianamente para fins de comunicação. A maioria das vezes é um uso pragmático. Agora, habitar plenamente é outra história. Habitar plenamente é perfurar este manancial, que é a linguagem, fazendo jorrar a “palavra dizente”2, o pulso das palavras, como disse Maiakóvsky:

Sei o pulso das palavras, a sirene das palavras
Não as que se aplaudem do alto dos teatros    (herbert)
Mas as que arrancam caixões da treva
e os põem a caminhar quadrúpedes de cedro.
Às vezes as relegam inauditas, inéditas    (herbert)
Mas a palavra galopa com a cilha tensa
ressoa os séculos e os trens rastejam
para lamber as mãos calosas da poesia.  (herbert)
Sei o pulso das palavras, parecem fumaça
Pétalas caídas sob o calcanhar da dança
Mas o homem com lábios, alma, carcaça. (herbert)

Fazer jorrar a “palavra dizente” significa dizer o essencial. Dizer o essencial é justamente dizer o não-dito, o que escapa à rotina dos clichês, ou dizer o já dito de outra forma, (INTERLOCUTOR RECITA O POEMA COMPOSIÇÃO ESTRANHA) inventando para as palavras já gastas, corroídas e enferrujadas novos relacionamentos, nova sintaxe. (INTERLOCUTOR RECITA MANOEL DE BARROS)

Só o poeta é capaz disso, dessa “residência poética”. “Rico em méritos, é, no entanto, poeticamente que o homem habita esta terra”, afirmava o poeta alemão Hölderlin. Habitar a terra, ressignificando-a. Há aqui uma responsabilidade ético-estética com a linguagem. O bom poeta torna a língua mais rica; o mal poeta a empobrece. Poisa poesia é como a lavra do radium, um ano para cada grama – para extrair uma palavra, milhões de toneladas de matéria-prima”, já exigia Maiakóvsky. Poesia é linguagem elevada à enésima potência de significação. Neste aspecto, vale citar o poeta Manoel de Barros, que expressa num único verso esta função precípua do poeta e da poesia: MINHOCAS AREJAM A TERRA; POETAS, A LINGUAGEM.


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

A Invasão da Poesia.

Num momento de profunda crise econômica e política, Cabo Frio sofre a invasão da poesia. Poetas são assim, seres que aparecem nos momentos em que a sociedade os chama através de uma complexa rede telepática. Clube do Poeta, Degustando Arte, Sarau da Tribal, Flores Literárias, Varal do Beijo, Festival de Inverno Literário, TCCEXTA e o surgimento do selo Camarada García,  pavimentam uma nova ERA DA POESIA para Cabo Frio.

Cintra levando meu livro, figura onipresente em Cabo Frio.
Não só a poesia, mas também a prosa, eu diria, a literatura sendo revitalizada, com novos nomes surgindo no cenário da poesia da Região dos Lagos. Um desses nomes é, sem dúvida, André García, que resolveu "cair dentro", trazendo uma avalanche de novidades. Além de uma poesia aderente, profunda e contestadora, é, também, uma ação cotidiana que faz levantar a poeira do lado de cá. Honrando uma tradição que traz Paulo da Silveira como ícone e a figura errante de Miguel Lima, construindo um cenário que já vinha se fortalecendo, principalmente com a injeção de energia proposta pelo primeiro FESTIVAL DE INVERNO LITERÁRIO DE CABO FRIO, um evento magnífico, que fez diversos poetas "saírem da toca", enquanto novos chegavam.
Espalhando arte e estetica desde 2014, o "Varal do Beijo", de Nathally Amariá,
evidencia uma tendência de que a poesia circula sutilmente no coração da
juventude de Cabo Frio.
Ainda em 2016, o Sarau da Tribal, amalgamou várias fontes criativas, num evento inesperado, mas que aconteceu de forma incrível, no espaço Usina 4, com casa lotada, trazendo como voz principal, n aquele dia, a figura da jovem poeta Beatriz Ebecken que invadiu a praia com sua poesia ácida, sensual e provocadora. Neste mesmo dia, jovens como Jean Monteiro, Nathally Amariá, Celso Guimarães e Dandara Melo, fizeram a poesia explodir, numa avalanche de palavras que ajudaram a criar um ambiente fluido e provocativo. Completamente arrebatado pela fúria dos jovens que ali se manifestavam, nem José Facury resistiu, subiu no palco e destilou sua narração de histórias, deixando o público feliz e participativo.
Outro nome que se faz presente em diversos saraus é o professor de física do IFF - Cabo Frio, Henrique Selani, que, com uma poesia cheia de referências históricas, evoca uma fala contundente e, trazendo os deuses do olimpo, novamente, através de verdadeiras orações bacantes impregnadas da mais sofisticada linguagem literária. Henrique vem bebendo na fonte da mais fina literatura muncial, descobrindo o melhor de sua arte poética, através de reflexões profundas em vertentes que tem em Miguel Gullander, sua mais forte influência.
No bojo dessa nova geração, aparece Nathally Amariá, que, com seu VARAL DO BEIJO, vai, de forma sutil, costurando energias produtivas e criativas, dentro de um universo poético que começa a explodir com grande força, neste fatídico e desastroso ano de 2016, um ano que explode crises mas que marca o renascimento da poesia Cabofriense. Nathally é também poeta e já esteve num grande evento de poesia, em 2014, o "Congresso Brasileiro de Poesia", tendo participado, inclusive, da antologia POETA MOSTRA SUA CARA, com seus haicais, junto com Ravi Arrabal e Kéren-Hapuk. Seu blog BEIJO QUE VIROU ARTE, virou referência para pessoas de sua idade, mas já aponta para uma literatura que vem surgindo com certo capricho estético.
Jaqueline Brun e Andrea Rezende, com o sarau Flores Literárias, revelam novos nomes da poesia local e consolidam a presença daqueles que já fazem poesia a mais tempo, como o querido Rodrigo Poeta, que traz uma reflexão forte e um mergulho no desafio do próprio fazer, reconstruindo olhares e entranhando-se cada vez mais como um observador atento ao fluxo existencial de Cabo Frio e Arraial do Cabo.
Sem sombra de dúvida, a jovem Lorena Brites com seu livro Acervo de Palavras, abriu caminhos a ombros, para uma geração que não quer se conformar, cria seu discurso e reinventa-se através de um desafio permanente, dar sentido à vida e continuar na trilha de tornar a arte um caminho necessário para o processo educacional e vivencial da cidade. Também é bom rememorar o belíssimo festival de contos de Cabo Frio, organizado pela LITERARTE, da incrível Isabelle Valladares, em 2013, um acontecimento impactante para as letras de Cabo Frio.
A poesia Cabofriense também teve suas perdas. A figura do poeta  Paulo da Silveira, patrono do Clube do Poeta e mentor de nomes como Azul Cazu e Fabio de Freitas, era uma referência de resistência e permanência na linguagem e, agora, recentemente, nos despedimos do querido Carlos Alberto, da ARTPOP, que fazia forte militância pela literatura local, criando uma fonte inesgotável de relações entre o fazer literário e a conjunção de forças diferentes da busca do fazer artístico.
Uma mistura de gerações, em saraus das mais diversas naturezas inventivas, agora, parecem encontrar impacto e permanência em Cabo Frio, apontando para a possibilidade de uma nova era para o forte movimento que está surgindo na cidade.

(Jiddu Saldanha - Blogueiro)

quinta-feira, 14 de julho de 2016

André García, um cronista de sua geração.

André García tornou-se um nome forte da poesia cabrofriense, quem o conhece sabe de sua irreverência e do seu "não ter papas na língua", dito isso, André é um criador rigoroso, faz poesia e escreve contos com tom devidamente profissional e vive o cotidiano da cidade como um cronista de sua geração.


André García clicado pelo poeta dos cliques, o fotógrafo Marcos Homem.
André já circulou por diversos lugares da cidade, como poeta, é uma espécie de "andarilho urbano", desses que vai aos lugares sem compromisso. Chega a hora que quer e sai quando a gente menos espera, comportamento típico de poeta. Bom mesmo é ouvir seus poemas, quando ele sobe no palco, fala com o coração e mostra uma poesia ácida que não deixa pedra sobre pedra. Camarada García, como costuma se chamar, é, na verdade, um artista que resolveu levar sua arte a sério e vive vida de poeta, dividindo seu tempo entre a produção, o emprego e reinvenção de si mesmo.

Na casa ancorada, André irá ensinar como fazer um Fanzine!
Desde que o conheci, ele investe, sempre, na sua produção. Cria seus livros, e sai por aí, vendendo seu material. Reclama que ninguém lê, tremando "sétium", já que, se tem escritor em Cabo Frio que tem leitores, esse cara é ele. Blogueiro da pesada, publica com disciplina e quem conheceu sua fase cineasta, sabe que seus filmes causavam sensações no Cine Mosquito, o Cine Clube mais antigo de Cabo Frio.  
Uma vez, a galera do OFICENA deram por falta do André e começaram a especular porque ele não foi mais ao curso, respondi logo para que não ficasse dúvida. André é um poeta, ele veio aqui por comprometimento com sua poesia, veio e foi embora, a nós, só resta a gratidão, por saber que tivemos, circulando pelas entranhas escuras do teatro semi-abandonado, a figura daquele que será, talvez, um dos poucos poetas que se salvará, de fato, enquanto criador de uma obra robusta.

A faze audiovisual de André García, deixou marcas no Cine Mosquito, onde fez um
tremendo sucesso! Quem não lembra da série "Boladão na Madruga"! Curta aqui o 
episódio 15.

"Boladão na Madruga" irreverente e sarcástico, André García marcou época com seus 
filmes alternativos. Espero que um dia ele volte a fazê-los, mas disso não podemos ter
qualquer certeza, André segue seu coração e faz o que sente que tem que fazer; a nós, 
cabe curtir um pouco de suas criações!

Recebo aqui, a notícia de que ele vai dar uma oficina de Fanzine. Com certeza, será um sucesso, mais um momento incrível proporcionado pelo pessoal da Casa Ancorada, um centro cultural independente que está buscando sua conexão com a galera alternativa da cidade, encontraram o cara certo, porque André é uma vertente de poesia genuína de Cabo Frio, aprender com ele significa mergulhar em algum tipo de essência e viver momentos que a gente não vai esquecer nunca.
Dale Camarada García.

Jiddu Saldanha - Blogueiro.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Viagem ao Chile - 2014

Recebendo o prêmio Yolanda Hurtado, direto das mãos
do Sr. Roberto Hoppman.
A experiência de conviver com o povo de Santiago, Chile, gerou em mim, sentimentos complexos. A vontade de mostrar minha arte além fronteiras é uma delas. Poder conhecer um povo diferente em sua cultura mas semelhante em diversos aspectos com o Brasil. Sem dúvida que uma das melhores energias que pude sentir foi o amor e o respeito que o chileno tem para com o brasileiro. Andar pelas ruas de Santiago, sentir a velocidade de uma sociedade que trabalha como formiga, foi uma experiência linda e diferente. Estar em um país tão organizado, para os padrões da nossa tão sofrida América Latina, e conviver com uma população tão crítica de suas próprias idiossincrasias.
Outro fator que me manteve em estado de gratidão, foi a forma como fui tratado, não apenas pelas pessoas que me cercaram - para que eu tivesse a qualidade de vida necessária para cumprir minha missão naquele país -  mas também, pela equipe do belíssimo espaço cultural Taller Siglo XX Yolanda Hurtado. Um grupo de profissionais altamente qualificados, cada um rendendo o máximo em sua função específica. Momentos inesquecíveis que iam desde uma boa conversa à troca de experiência artística em todos os níveis. Lá, pude convviver, ainda que por pouco tempo com: Juan Galdamez, Antonio Ortiz "Toño", Roberto Jadue, Pablo Casals, Macarena Sides "Cota", Gabriela Souza, David Fernández, Roberto Hoppmann, Constanza Castillo, Luciano Marchant (videasta), Hugo Fernández (diseñador - disign).

Foram as três apresentações na cidade de Santiago: 

Espetáculo e bate papo com crianças e jovens da sociedade israelita Bet - El, onde pude, não apenas mostrar minha técnica mas também falar sobre ela. Um momento vivido com plenitude, poder sentir a força e a energia de uma juventude que vem chegando ao mundo com a fúria transformadora e ao mesmo tempo, o equipamento existencial e a ética trabalhada na sensibilidade da arte. Foi bonito ver, num pátio, abrigado por uma lona, tantos jovens interessados no que eu tinha pra dizer com meu silêncio e minhas palavras. A educação e o respeito, além da curiosidade e a alegria de viver, marcaram minha primeira performance em Santiago.

Ao final do espetáculo, receber o carinho da platéia, não tem preço!
Oficina de Mímica para artistas e educadores de Santiago. Um grupo seleto de pessoas especiais em suas almas e sensibilidades, permitiu uma troca de informação em um curto período de apenas 3 horas de duração mas intenso na completude gerada pela positividade das pessoas presentes. O santiaguino é um curioso, semelha-se muito ao brasileiro, pergunta tudo e tem uma sede de querer experimentar na prática, aquilo que se está dizendo. Além de um rico bom humor e uma inteligência aguçada pelo forte hábito de estudar, incutido no imaginário de um povo que deu ao mundo artistas como Pablo Neruda, Gabriela Mistral e Roberto Bolaño.

Espetáculo de mímica "Mímica Maravilhosa", que nada mais é que o espetáculo histórico que faço a 25 anos, "Por Detrás do Silêncio", que, depois de circular pelo nosso imenso país-continente, o Brasil, agora fez sua estréia numa ótima casa de espetáculo. O Taller Siglo XX Yolanda Hurtado, onde, com um público muito especial, colhido na melhor safra da sensibilidade santiaguina, pude me emocionar no palco, ao lado de pessoas como artista visual e cirurgião plástico, Roberto Hoppmann; a locutora da rádio universitária de Santiago, Lala Salamanca e o poeta chileno que é um dos mais conhecidos no Brasil, Leo Lobos. Ter pessoas assim na minha platéia, foi um privilégio, uma troca efusiva de experiência e sensibilidade, mergulhados na essência e no maior da vida!

Novos amigos, novos encontros para a vida! Da esquerda para a direinta:
Leo Lobos, Pablo Casals, Jiddu Saldanha, Roberto Hoppmann e
Macarena Sides "Cotta".
Circular por Santiago e reencontrar amigos como Noél Oiveira, Cristian Hernandez e Jeniffer Aburto, foi algo que não se esquece jamais. A acolhida, a troca de energia e informação, faz a gente pensar o quão parte se faz da comunidade planetária. Por um lado sou brasileiro, mas é como se aquelas pessoas que lá encontrei, já fosse parte de uma comunidade que, se não é uma família, ao menos, são vizinhos muito próximos e é como se já estivessem lá, esperando a minha volta.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

O Simpósio Internacional de Contadores de Histórias retorna em grande estilo.

Arquitetura e Narração de Histórias, um encontro de águas
na pororoca brasileira!
Toda uma geração de narradores se formou no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias, um grande acontecimento, iniciado em 2002 e que, depois de 10 edições, teve uma pausa em 2012 para retornar com toda a força em 2014, em Niterói; nada mais nada menos que no magnífico complexo arquitetônico de Oscar Niemayer. Aliás, vale um elogio especial para a cidade de Niterói, que tem a segunda maior concentração de obras do mais importante arquiteto brasileiro, perdendo apenas para a capital, Brasília-DF.
Suntuosidade à parte, o Simpósio Internacional de Contadores de  histórias é um marco brasileiro para os profissionais que vivem da narração. Até então, os eventos produzidos envolvendo contadores de histórias eram mais regionais e de cunho nacional, bastou surgir o Simpósio e esta arte foi alçada ao ápice, criando uma teia de influências e elevando os contadores de histórias brasileiros à categoria de artistas do mesmo porte dos atores, diretores e cineastas.

Em 2014, o retorno de um dos mais importantes eventos para Contadores de Histórias do País.
Hoje, o país vive um boom desse tipo de expressão artística com pessoas influentes na área de educação e leitura, fazendo e acontecendo, criando não só status, mas gerando mercado para esses profissionais atuarem com respeito e dignidade. Tem sido assim nos últimos 15 anos e sem dúvida, a narração de histórias atingiu mais espaço e conseguiu inserção séria na mídia nacional graças à habilidade da produção do Simpósio, que soube dar um gás a mais a esta prática artística que hoje tem seu lugar garantido no a painel das artes brasileiras.
A partir do dia 05 de Fevereiro, a arte de narrar terá, em solo brasileiro, importantes nomes desta arte e todos concentrados na cidade de Niterói, no ano da graça de 2014.
NÃO PERCA!